terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Meu sol no mar


Quando o Henrique tinha dois aninhos, resolvemos que estava na hora de levá-lo em uma viagem. Pensamos em nós também, que desde minha gravidez, não viajávamos. A única loucurinha foi que escolhemos ir para o sul, pois estávamos com saudades, já que sempre íamos pra lá. 

Engraçado que moro no interior de São Paulo e temos praia por perto....quatro ou cinco horas de viagem (não tããão perto rs), mas resolvemos enfrentar treze horas e ir para Balneário Camboriú e Florianópolis. O Henrique já usava as órtises e a gente sabia que não seria fácil ter que carregá-lo a todo momento, mas meus pais e minha irmã foram também, então, iríamos revesando. 

O que eu achava que seria estressante e cansativo, acabou se tornando um passeio delicioso e divertido! Ele não deu trabalho nenhum naquela estrada sem fim...dormia, acordava, cantava, tagarelava, ria, comia, dormia de novo, enfim, se comportou como um homenzinho.

Na praia, se encantou com o mar e não queria sair de lá, mas como criança e sol forte não combinam muito, levei a piscininha pra que ele ficasse na sombra se refrescando. No começo, teve arrepio da areia, mas depois acostumou e brincou muito. Muito mesmo! Ahh, e ficou tão moreninho, da cor do pecado. Lindo de viver!


Depois dessa, fizemos muitas outras viagens, mas com o tempo foi ficando um pouco mais complicado. Ele cresceu e com isso, era mais difícil pra gente. Eu e meu marido sempre pensávamos duas vezes...não....mil vezes antes de sair de casa, porque a gente sabia como era complicado carregar o Henrique pra lá e pra cá, mas agora, depois de nossa viagem ao Rio, voltamos com a cabeça mais aberta e com os pés no chão, pois temos que enfrentar essa realidade mesmo, não tem jeito. Já estamos encomendando a cadeirinha de rodas dele e vamos sim passear, sair, levá-lo pra qualquer lugar, pois sabemos que é possível, apesar das dificuldades. 

A subida ao Cristo Redentor, com o Henrique de cadeiras de rodas, nos provou que podemos enfrentar qualquer barreira. A emoção que ele sentiu quando viu onde estava, foi indescritível. Henrique parecia gente grande. Desculpa, gente...mudei o foco. Era pra contar sobre a primeira viagem e não sobre a que foi inesquecível. rs

O importante é saber que, independente de qualquer limitação, pode-se ser feliz e se divertir pra valer! 

(Simone Maróstica, mãe do solzinho Henrique)

20 comentários:

  1. Dever ser difícil mesmo, Si, mas vale a pena, não é mesmo? Imagino a emoção do Henriquinho! E que fotos lindas do fofo! :)

    ResponderExcluir
  2. Já comecei a chorar assim que li o seu título, amiga! Tudo em você transborda e faz transbordar em mim... por inúmeros motivos... mas o principal é ver que vc, aparentemente tão frágil, é forte pra caramba, graças a Deus!

    Adorei ver o Henriquinho dentro d´água e curtindo! Miguel morre de medo de ondas e foge um bocado do mar, apesar de morar em cidade praiana, vai entender! Mas amaaaaa piscina, sinal de que o problema é mesmo a onda e não a água! :-)

    Não faz mal algum perder um pouco o foco... até mesmo porque todos os caminhos que vc resolver, consciente ou inconscientemente, seguir levam até o coração e atingem em cheio a nossa emoção! Sempre fico mexida! Obrigada por me tornar mais humana ainda a cada historia que vc compartilha conosco!

    Chorei ao imaginar o seu filho na cadeira de rodas, mas não por pena ou algo semelhante e sim por saber que isso é algo provisório. Às vezes Deus quer a gente aceite algo para depois, quando menos esperamos, nos presentear com o que nem esperamos mais, mas que merecemos! Beijos e amo vcs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você chora quando me lê e eu choro com seus comentários. Putz, índia, quer me matar, é??
      seu último parágrafo me encheu de esperanças! Obrigada, amiga por todo seu carinho....amo você!
      Beijos

      Excluir
  3. Faço minhas as palavras lindas de Dequinha.

    Como sempre, minha hermana me fazendo chorar! Estava presente nessa primeira viagem e sou testemunha: que homenzinho que ele foi! Mas nunca duvidei disso. Daqui pra frente, quero sempre fazer viagens ao lado de Henriquinho, porque sei que, assim, não haverá um dia sequer nublado: a previsão será sempre de luz, muita luz! *-*

    [amei rever essas fotos lindas!]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Liiii, que bom te ver por aqui! Hermana, sua missão de tia também é árdua...rs
      Beijos e te amo

      ps: amei a previsão!!

      Excluir
  4. Simone...não conheço sua história e nem a do Henrique, mas já me encantei e gostei muito do texto...lindo mesmo!!!
    Sou mais uma emocionada aqui!!!

    obrigada por dividir esse seu dia ensolarado com a gente!

    bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, obrigada querida. Se você tiver curiosidade, leia meus textos que conto como tudo aconteceu.

      Beijos!

      Excluir
  5. Ai, Si, acho que vc emociona tds que leem. Saudades do meu pequeno... :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Dani...nem sei o que dizer, flor :(

      Excluir
  6. Simone, AMEI o "moreninho da cor do pecado"...Que garoto lindo e cheio de mais encantos!! nesses dias eu o vi no vídeo cantando no facebook. Esses momentos, registrados ou não, junto a outros encantamentos tão comuns nesta idade enchem de cor dos dias e dão força para lidar com outros momentos mais difíceis.
    Você não mudou o foco; primeira viagem também pode ser um dia inesquecível (dentre outros vividos). Por que não?
    As crianças sabem(melhor que nós) como se divertir em qualquer lugar e tem isso a nos ensinar. Nós que , muitas vezes, nos deixamos levar pela preocupação e perdemos a oportunidade de ser feliz nas pequenas coisas (tão grandiosas! Seus textos e histórias são uma brisa numa tarde de verão, ou seja, fazem um bemmm a quem lê!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zizi, você tem toda a razão!Eu estou realmente aprendendo a deixar a preocupação de lado e ser mais feliz!
      Beijos, lindona :)

      Excluir
  7. Fazer a gente chorar no horário de trabalho não dá né?...obrigada por colocar sempre meus pés no chão...cada vez que vejo suas conquistas com o Henrique...sempre me emocionando...Um bj
    Lana

    ResponderExcluir
  8. Hum, não consegui responder pra Lana diretamente como fiz com as outras. Aliás, adorei esse novo recurso!

    Lanexxxx, é você mesmo? Que saudades...lindo seu comentário. Obrigada. Beijos

    ResponderExcluir
  9. Simone, você é mestra em mexer com nossos neuroniuns sentimentalis... Quando leio suas postagens, passa tudo que você escreve que nem um filme, eu VEJO vocês fazendo isso ou aquilo, eu SINTO aquele clima, ficomovida mesmo!!!
    Eugostomuitodevocê, #prontofalei!
    Bjim!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ô, minha linda, às vezes acho que estou sendo tão repetitiva, mas não tenho como fugir, né?
      Beijocas e eu também gostodemaisdocê!!

      Excluir
  10. Simone,
    Sobre o texto e os comentários nem vou falar...
    Vou apenas parabenizá-la pelo título, que para mim foi o resumo de todo o amor que sei que tem pelo seu homenzinho: MEU SOL NO MAR.
    Nada mais lindo, mais poético, mais amoroso você não conseguiria escrever: foi o máximo!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh, que linda! Obrigada, Vânia...
      Então, eu sempre digo que ele é meu sol. No face, tenho um álbum dele intitulado assim: "Sol da minha vida, luz que ilumina meu dia"...porque ele é MESMO meu sol!

      Beijinhos

      Excluir
  11. Simone, que lindo! Que emocionante! A começar pela metáfora fascinante que o título representa! Como não se emocionar com os seus textos? Eles são realmente cheio de amor! Você consegue fazer o leitor viajar, simplesmente o máximo! Parabéns amiga linda! Parabéns pelo seu sol!

    Bjos

    ResponderExcluir
  12. Maria, obrigada pelo carinho de sempre!! Como eu disse à Else, às vezes acho que sou repetitiva, mas não consigo contar de outra forma...rs

    Beijo grande, amiga

    ResponderExcluir

O que lhe veio à mente depois de ler este texto?!? Queremos muito saber!!! Comente!!! Obrigada!!!