terça-feira, 5 de abril de 2016

Todos os dias são seus, filho!


Meu filho amado,

Fui pega de surpresa, pois só agora o Facebook me avisou que hoje é o DIA DO FILHO (eu nem sabia que esta data existia, confesso, visto que, pra mim, todo dia é seu, desde o dia 14 de agosto de 2009, e até mais cedo do que isso, quando eu me dei conta de que você já estava sendo gerado em mim!). Mesmo assim, à queima-roupa, eu resolvi lhe escrever esta singela carta, hoje, só para não passar mesmo em branco. 

Antes mesmo de você nascer, eu já aprendi algumas lições: tentei comer menos besteiras (e quem me conhece sabe como isso é difícil pra mim, quase uma missão impossível!), tentei caminhar pra não ficar tão sedentária, comi mais frutas (especialmente pêra), me obriguei a dormir mais e a descansar mais, ouvi um monte de música clássica para ver se você vinha calmo (tudo bem que isso não adiantou muito, mas...), li um monte de livros para tentar ser uma mãe experiente e de "segunda viagem" (mesmo sendo de primeira!), passava todas as suas roupinhas (mesmo deteeeeeestando fazer essa tarefa), parei de pintar o cabelo por medo de a tinta afetar você, de alguma forma.

Depois que você chegou, meu mundo se ampliou, ainda mais, e meu amor também, por mais impossível que isso pudesse parecer. Mesmo estando só o pó, eu deixava, muitas vezes, de dormir para ficar olhando você dormir, feito um anjo! E não me arrependo, pois só assim pude ver você franzir a testa, tendo algum tipo de pesadelo, e logo depois sorrir, como se estivesse no melhor dos sonhos! E eu ficava ao lado da cama, só imaginando o que se passava naquela cabecinha! Às vezes, eu torcia para que você dormisse logo pra eu poder descansar (é assim até hoje, já que você sempre foi ligado no 220), mas foram várias as vezes em que eu, com medo, ia ver se você estava respirando, de tão profundamente que dormia!

Dei praticamente todos os banhos por puro ciúme, cuidava do seu umbigo mesmo morrendo de aflição, até que um dia ele caiu e eu chorei horrores, com medo de ter caído antes da hora por alguma força a mais que eu tinha feito ao enxugá-lo. Tirava meu leite com aquela bombinha, até o peito sangrar, e chorava, todo dia, por ver que era tão pouquinho e nem o sustentaria por algumas horas, tendo que apelar pro Bebelac. Colocava todo dia você pra mamar e quando via que estava ficando irritado, sugando em vão, isso me doía muito mais do que mil cortes de cesárea... até que Deus, em sua tamanha misericórdia, abençoou toda a minha insistência com muito, mas muuuuuito leite, que jorrava, e aí pude amamentá-lo até três anos e meio.

Senti vontade de chorar no teste de pezinho e em cada vacina que você precisou tomar, sempre fingindo que eu era forte! Queria ter superpoderes quando você tinha cólicas e eu nada podia fazer para livrá-lo da dor, a não ser colocá-lo quentinho colado em mim e o ninava, até você, cansado, adormecer. Quanto sufoco para colocá-lo para nebulizar, e era um escândalo que você fazia, e eu ficava me perguntando se precisava mesmo de tudo aquilo!

Aos poucos, eu ia aprendendo, a duras penas, a reconhecer o que cada choro seu significava e, ao contrário de muitas mães, nunca precisei tentar decifrar o que você mais tarde queria dizer, pois sempre pronunciou tão bem as palavras e nunca trocou uma pela outra (que pena, pois acharia tudo engraçado!). Queria escolher pra sempre as suas roupas, mas você já ia sinalizando qual queria e qual não. Queria continuar podendo controlar seus desenhos, suas músicas, suas brincadeiras, seus amigos, o que você come... mas vou tendo que aprender, na marra, que você não sou eu (ainda bem, pois sei que vai além, é uma espécie de "eu melhorado") e que devo respeitar os seus gostos, suas escolhas! Para uma escorpiana chata, sistemática, perfeccionista, as coisas não saírem conforme ela quer é o fim... mas com você eu vejo que é um começo -- um começo de tanta coisa sempre a aprender, a conciliar, a confrontar, a ceder, a impor... cada coisa na sua hora... e você, filho, já há algum tempo, tem servido de "reloginho" pra mim... e por isso, também, eu lhe sou grata, muito.

Obrigada por estar sempre atento, ao meu lado, a ponto de querer saber, todo preocupado, o motivo de cada lágrima que derramo, de cada gargalhada que eu dou, por implicar com cada pum que eu solto antes de dormir (e às vezes rola até uma competição, né? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk). Obrigada por cada alegria, por iluminar o meu dia, por cada "bom dia" e por cada "boa noite" que nos damos. Obrigada por cuidar de mim quando fico doente e por fingir que é até muleta pra me levar ao banheiro nesses dias de Dengue, em que eu mal conseguia andar.

Obrigada por ser esse filho 98% das vezes maravilhoso... parceiro... amoroso... e obrigada por me obrigar a ter "jogo de cintura" para lidar com os seus 02% de teimosia, rebeldia e impaciência (que eu, no fundo, sei que herdou de mim). Obrigada, enfim, por me dar a chance única de ser sua mãe, de aprender tanto, e de, com isso, ser uma pessoa melhor, apesar dos meus tantos erros, inevitáveis. Tenho muito orgulho de ter você como filho e é um filhote que não só vale por mil, mas que também é mil, é mil e um, e quantos mais você quiser! Gosto de todas as suas versões: cavaleiro, caseiro, pirata, karateca, mosquinha varejeira, contador de histórias, veterinário, desenhista, pintor...!!! E saiba que TODOS os (meus) dias são seus!


Com amor, 

Mamãe Andreia Dequinha

16 comentários:

  1. Que lindooooooo ! Vc realmente tem um filhão! Que ele continue sempre dando esse orgulho e sendo seu companheiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém, minha amiga, linda, e se ele for parecido com o seu filhote eu vou ficar super feliz! Na torcida! Beijos mil e valeu pelo carinhoso recadinho, sempre.

      Excluir
  2. Nossa, Dequinha! Que LINDO!!! Enquanto eu lia, pensava assim "A Dequinha deve ter feito esse texto maravilhoso em cima de lágrimas" pois se emociona quem está do outro lado, quem dirá a propria autora. Esse texto, em forma de carta deverá ser guardado para sempre porque está muuuuito terno, carinhoso, meigo, delicado, fofo, emocionante, maravilhoso, verdadeiro, perfeito...e tantos adjetivos! Vc é uma mestra mesmo na forma de expressão. Tenho plena convicção aue do mesmo jeito que vc ama esse filhote lindo, é amado por ele,... Um retorno nada mais que justo! Parabéns, amiga! (Ps. Eu nao sabia que havia dia do filho )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza chorei escrevendo, e, para não desidratar, decidi não ler o texto depois de pronto, portanto, se deixei passar algum errinho, por favor, me avise(m)! rs rs rs

      É muito amor envolvido, né? E tomara que muito em breve meu filhote também possa ler essa minha cartinha, escrita com todo o amor do mundo, e que ele sinta o quão importante ele é em minha vida (tomara que ele NUNCA tenha dúvida sobre isso!). Meu maior e melhor presente! Inigualável!

      Obrigada pelo carinho de sempre... pelos elogios que nem sei se mereço... por seu coração imenso e generoso...

      Que bom que eu não fui a única a não saber que existia o DIA DO FILHO. Vc tb não, né? Ufa! No mínimo, duas desinformadas. Já me sinto melhor. rs rs rs

      Excluir
  3. Dequinha, ameeeei!!!! Que delicia sentir o quão gostosa foi e tem sido sua convivência com seu filhote. Um futuro fabuloso os aguarda, recheado de muita amizade e prosperidade. Deus continue abençoando os dois.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há coisa melhor, por mais que seja cansativo, e como é, do que acompanhar todos esses momentos, relembrar uns e saber que temos tantos outros pela frente ainda!
      Obrigada pelo carinho e que Deus abençoe a todos nós! Amém!

      Excluir
  4. Ai que amoooorr!! Arrasou! Adorei! Coisa mais linda, O Miguel com certeza está cheio de orgulho dessa mãe. Que texto mais doce, pura emoção! Lindooooooooooo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que você tenha gostado, Mazé!
      Eu até pensei em ler a cartinha para ele, mas desisti porque eu ia chorar horrores, só pra variar. Hoje já chorei lendo a primeira página da agenda da escola dele! Ele se acabava de rir, mas agora fica querendo chorar junto... (risos)
      Beijinhos.

      Excluir
  5. Que poesia em forma de maternidade! Vejo qnt similaridade temos nessa experiência avassaladora, poderosa e transformadora que é ser a mãezinha de nossos filhotinhos... Deus proteja, ilumine, abençoe e capacite os nessa jornada incontrolável que e viver! Te amo! Luciana Thompson

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lú, obrigada por estar sempre enchendo a minha bola! Vc é show, gata-garota!
      Bom demais ter uma podido acompanhar não só a gravidez uma da outra, como também podermos trocar figurinhas até hoje! Amo demais vc e sua família e com vc muito me identifico, desde sempre!

      Excluir
  6. Tamo juntas, gata garota, fornecer and ever!!! Lu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho de sempre, Luciana!!!! Amo tu!!!!

      Excluir
  7. Forever!!! Esse corretor... Kkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem mandou tentar se esconder no anonimato?!? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Só você!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
  8. Quer me matar de chorar,Índia?
    Que bom, pois você conseguiu :'(
    Socorrooooo,que lindo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Índia, por quê? Chorou "pocadiquê, doida?!?
      Feliz que tenha gostado e espero que um dia o Miguel possa ler e gostar também, ter absoluta certeza do quão especial e importante ele é em minha vida, aos meus dias, à minha existência! É por ele que eu vivo, respiro, sem exagero.
      Beijocas!

      Excluir

O que lhe veio à mente depois de ler este texto?!? Queremos muito saber!!! Comente!!! Obrigada!!!