domingo, 15 de janeiro de 2012

Só muda o endereço, né?...


Enquanto sentada aqui escrevo, os dois batem  asinhas por aí. O Mô levou a Talita e as amigas para o shopping e vai buscar quando ela avisar que já enjoaram de bater pernas. O Tariq está solto pelo condomínio, curtindo a tarde picotada por pancadas de chuva, pra refrescar o corpo e lavar a alma. Isso ele pode fazer sempre que estiver calor!

Eu imaginava que nas férias o estoque de não podes tivesse  um desconto, já que não temos horários, dormimos às 3h, o café é  às 11h, almoço às 17h...  Mas algumas regras básicas precisam reinar, para que existir e conviver sejam uma aventura, no mínimo, agradável, e para que a integridade física e mental sejam preservadas.

Quando estão ainda pequenos, repetimos, (in)cansáveis, aquelaladaiiinha de proibições, ansiando pelo dia em que já terão interiorizado todas elas e que, finalmente, teremos paz. Aham, o que foi que eu disse mesmo?! Ué, mas eles já cresceram tanto, ainda vou ter de esperar MAIS?  Bem, é que “mudaram as estações, nada mudou”... As exigências são oooutras, mas a enjoeira é a meeeesma... Antes ele queria tomar banho com o carrinho de controle remoto e ela tentava todo dia desenhar nas paredes... Eu era feliz e não sabia, hehehe!!! O grau de experimentação e de alargamento de limites é proporcional ao crescimento do perímetro encefálico e à elevação dos olhos acima do nível do mar! Física pura isso, né?? Some-se a isso a criatividade das razões pelas quais querem fazer isso ou aquilo, claro...

  • Andar de bicicleta na rua de cima não pode, Tariq, porque lá passa carro e você acabou de aprender a andar nela, não domina bem ainda. Além do mais, você acabou de ser atropelado pedestre, imagina ciclista?!
  • Talita, não pode ficar na internet desse jeito, que você acaba maluca, cega ou com a coluna torta! A filha do Bill Gates só fica 45 minutos POR DIA!
  • Tem de tomar pelo menos um leite sim senhor, seu Tariq, não pode descer pra brincar de barriga vazia que dá gastrite!
  • Fiiiilha, deixa de preguiça e lancha direito, não pode só comer rosquinhas e tomar esse leite com 4 colheres de Toddy, come direito...
  • Tariq, tem de tomar banho sim, pelo menos unzinho por dia, meu filho, como é que você vai dormir assim, todo grudento??
  • A sua irmã pode dormir um pouco mais tarde porque ela é beeem mais velha que você, jááá pra dentro, menino!
  • Não pode ficar o dia inteiro dentro de casa, colado nesse videogame, garoto! O dia tá lindo lá fora, olha que sol, jááá pra fora, menino!
  • Não deixa o chuveiro ligado esse tempo todo, vai acabar com a água do mundo! Olha a conta de luz!!
  • Não fica lendo na privada, que vai te dar hemorróidas!
Meu pai me repetia sempre, que nem praga: “Você vai ter os seus filhos e vai saber exatamente o que estou falando!”  Hoje me pego falando exatamente isso pra os meus...
                                                                              (Else Portilho - mãe da Talita e do Tariq)

9 comentários:

  1. Um prato fino, leve e deliciosamente saboroso!!
    Foi a forma mais simples que encontrei para definir os seus textos que sempre me encantam, seja pela pitada inteligente de humor, seja pela dosagem reflexiva no tamanho exato, seja pelos argumentos precisos, coerentes, e sempre tão cheia de razão...etc...etc...etc.
    Concordo desde o título; tanto os filhos quanto as mães....são situações que se repetem em cada lar, são tentativas de driblagem (dos filhos) versus os olhos sempre atentos (das mães).
    Nós, aqui, fiéis expectadoras dessas produções diárias e maravilhosas, já nos acostumamos a alimentar os olhos com essas iguarias. Benditas sejam as mães!!!

    ResponderExcluir
  2. Else, seus textos são um grande presente, uma delícia constante! Não há mais adjetivos para definí-los.
    Em se tratando do tema dessa semana, a gente percebe que é tudo igual, que não temos diferença uma da outra, ou seja, mãe é tudo igual mesmo, só muda de endereço.
    Filhos precisam de orientação, para não se tornarem adultos frustrados e infelizes.

    Bjo

    ResponderExcluir
  3. hehehe Gostei muito dos seus argumentos. kkkkkkkkkkkkk O melhor foi dar hemorróida. kkkkkkkkk Este eu não conhecia. hehehe Amiga, somos todas iguais, somos cópias também das nossas mães. bjs

    ResponderExcluir
  4. Segue um breve comentario...comentario de mãe de três que não consegue ficar mais que alguns minutinhos on line.Adorei é isso aí mesmo, a nossa cara,o nosso jeito e a melhor coisa da vida!Toda nossa preocupação e alegria de a cada momento tentar ponderar,cobrar,aliviar e curtir nossa cria !!Bjs!Claudinha

    ResponderExcluir
  5. Mais um texto leve e diverido, Else! Ser mãe não deve ser fácil! Bjos!

    ResponderExcluir
  6. Jussara Marzinetti17 de janeiro de 2012 14:21

    Acabei dde ler e só me vem um pensamento... que delícia tudo isso. Também tenho 2 e não trocaria este exercício da materniddae por nada. Que dá trabalho.... não restam dúvidas, mas o prazer de ajudar, sim ajudar, na formação de um ser melhor, criativo, responsável, cidadão. Este prazer realmente , NÂO TEM PREÇO. AMO!!!!!!!! Bj

    ResponderExcluir
  7. Ahh, Elsinha, que delícia de texto!!!
    E pelo que leio, você é uma mãe beeeem legal, acho que a Talita e o Tariq adoram esse seu jeitinho de lidar com eles, apesar dos "não pode" que você tem que dizer às vezes!

    Como sempre, leio e acabo a leitura com um sorrido de ponta ponta! ehehe Adoro!

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Menina, vc certamente é a versão feminina do Luís Fernando Veríssimo! O mesmo estilo engraçado, que manda altos recados e nos sacode sem nos darmos conta! Adoooooooro!

    Quer dizer que eu fico aqui reclamando e estou na fase mais light, né? Então estou ferrada mesmo, meu Deus!!! Socorro!!!! Mas na semana passada, vendo uma amiga minha lidando com seus filhos adolescentes, a ficha caiu: muito pior é quando chega a fase de eles saírem debaixo da nossa asa... Mas ainda falta muito pra mim! Até lá vou me preparando psicologicamente! rs rs rs

    Beijos imensos e força na peruca aí!!!!

    ResponderExcluir
  9. Delícia, delícia, assim você me maaaaata!
    Que texto delicioso de ler, meninaaaa!
    Eu adorei as travessuras de seus filhos e ainda o título, que nos remete à nossa infância e depois às mesmas frases ditas por nós mesmas: IN-CRÍ-VEL!
    É a mais pura verdade: só muda o endereço e a geração!! rsrs
    Beijos
    AMEI seu texto!

    ResponderExcluir

O que lhe veio à mente depois de ler este texto?!? Queremos muito saber!!! Comente!!! Obrigada!!!