sábado, 2 de julho de 2016

A melhor canção: filhos e netos



Minha singela participação hoje vem em forma de paródia da música "Velha Infância" (Tribalistas), a qual aprecio e me identifico com o seu conteúdo. Fiz, então, uma adaptação voltada ao tema da semana e compus uns versos, procurando obedecer aos elementos estruturais da letra original.

Vocês são para mim
princípios sem-fim
que habitam meus momentos.

E os preenchem de cores
um arco-íris de amores
que, com carinho, acalento.

Meus eternos bebês, 
vidas que elevam o meu ser,
sorrisos lindos que iluminam
de uma forma toda especial.

Eu me encanto
em cada canto
com as memórias que o tempo traz,

e os revivo
Nestas histórias
cujos enredos são bem reais.

Sou muito grata a Deus,
por tudo que Ele me concedeu:
bênçãos, filhos e netos
tornam os dias completos.

Vocês são para mim
flores de um lindo jardim
que rego com alegria.

Sementes que germinaram,
plantinhas que povoaram
os versos desta poesia...


(Zizi Cassemiro - mãe do Danilo e da Patrícia; avó do Gabriel e do Johnny)

7 comentários:

  1. Noooooossa! Arrasou! Ficou show! Lindo! Profundo! E eu saí aqui cantando... me empolguei... kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Parabéns, amiga que manda ver em todos os gêneros e estilos... Beijos! Amei a paródia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ohhhh! Fiquei feliz pela sua empolgação! Obrigada por ter gostado.
      Eu vi que seria difícil escrever em prosa sobre o tema porque as músicas que eu cantava para os meus filhos nem falavam em filhos e sim em outros assuntos, eu gostava da melodia e os fazia dormir (principalmente o Danilo que era mais agitadinho).
      Quando meus filhos eram pequenos essa música "Velha Infância" não tinha sido criada ainda, lógico, afinal ambos têm 32 e 30 anos. Entretanto, desde que ouvi pela primeira vez AMEI! e acho que ela tem tudo a cer com o que os filhos representam para os pais. Pensamos tanto nos filhos que esquecemos de nós... Mas eu não queria colocar a letra da música e sim reescrevê -la do meu jeito, aí sim eu usaria uma parte da música com adaptações voltadas ao meu sentimento materno. Mandei para minha filha em áudio, ela chorou (pra variar, é manteiga derretida como eu), meu filho tb recebeu em áudio, disse que ficou bom kkkkkkk.
      Gosto tanto dessa música que fiz, há uns anos, outra paródia para homenagear um aniversário de um amigo.
      Obrigada, linda pela positividade em seus comentários, vc é uma pessoa muito forte, embora não estando tanto em alto astral não deixa a peteca cair e ainda sobra ânimo para distribuir conosco. Que Deus dê em dobro a você toda energia positiva e bons fluidos, abrindo novas oportunidades para que sua criatividade e competência seja reconhecida e remunerada como deveria. O mundo precisa tanto de vc e ele nem se deu conta disso...

      Excluir
  2. Por isso que estou cada vez mais apaixonada pelo blog!! Muito show amiga! Cada dia uma surpresa e cada dia melhor!! Adoreiiiiiiiiiiii!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, fofa! Vc sempre muito delicada e gentil.
      Dependendo do tema, ora opto pela prosa, ora pelo poema.
      Já fiz algumas paródias em ocasiões passadas, até mesmo para ensinar aos alunos sobre esse gênero textual. Desta vez, aproveitei o tema e o relecionei a essa música que gosto muito.
      Gosto de brincar de versos, ou com rimas ou sem.....é divertido!
      Às vezes fico receosa em aparecer com outro gênero textual por aqui: cordel, paródia... Mas acabo arriscando porque, de certa forma, essas criações me representam, assim como os textos em prosa.
      Afinal, o objetivo do blog é registrar emoções maternas, não há regras quanto aos gêneros textuais kkkkkkk

      Excluir
  3. Elizabete Sampaio2 de julho de 2016 23:58

    Perfeito! Fiquei emocionada aqui também, sem palavras.Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Elizabete, por ter se divertido e gostado dos meus meros versos. As emoções maternas são como minas de água, não se esgotam e falar sobre elas requer um trabalho de organização das ideias e de como registrá-las como prosa ou verso. O amor de mãe está sempre acima do que escrevemos, o amor de mãe é imensurável.
      De vez em quando eu altero o gênero de prosa para verso porque fico travada em um deles conforme o assunto a ser exposto. Há temas que motivam a encher parágrafos, outros a soltar os versos...
      De qualquer forma, o mais importante é falar dos filhotes, eles sim são nossa maior motivação...

      Excluir
  4. Parabéns, Zizi ! Uma poesia linda e bem singela. Amei !

    ResponderExcluir

O que lhe veio à mente depois de ler este texto?!? Queremos muito saber!!! Comente!!! Obrigada!!!